quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Tomate sobe mais de 45% em janeiro

O Globo de hoje colocou em destaque essa matéria sobre o aumento de preços dos alimentos, destacando o tomate. Mas CREDIBILIDADE É TUDO, o blog CEASACOMPRAS há duas semanas já tinha falado sobre isso, perguntando até se o tomate tinha se tornado "vilão dos preços" outra vez. Veja reportagem do jornal carioca que destacamos para você.

"RIO - Os alimentos, que foram os principais responsáveis pela queda da inflação em 2017, aceleraram sua alta neste início de 2018. O comportamento já era esperado, devido à queda na produção de hortifrutigranjeiros que sazonalmente ocorre no verão.

                 Resultado de imagem para banca de feira com tomates

A maior alta foi do tomate: 45,71%. Mas cebola (7,98%) e batata-inglesa (10,85%) também subiram com força. Os três produtos são os que causam maior percepção de inflação entre os alimentos, afirmam os especialistas, já que são muito usados e dificilmente podem ser substituídos.

Alimentos com maior alta de preço em janeiro (em %)

Frutas - 4,08
Tomate - 45,71%
Cenoura - 18,54%
Batata-inglesa-  10,85
Cebola-  7,98%
Hortaliças - 4,26%

Fonte: IBGE

- O tomate foi vendido quase todo em dezembro, por conta de ser perecível, e em janeiro a oferta foi menor, então, elevando os preços. Ele teve o maior impacto na inflação dos alimentos. E só não impactou mais o índice geral do que a gasolina - explica o gerente de Índice de Preços do IBGE, Fernando Gonçalves.

No conjunto, o grupo alimentação e bebidas passou de uma alta de 0,54% em dezembro para 0,74% em janeiro. A alimentação para consumo em casa passou de 0,42% para 1,12%. E a alimentação consumida fora de casa, de 0,74% em dezembro para 0,06% em janeiro.

O gerente do IBGE explicou, ainda, que a forte desaceleração nos preços da alimentação fora de casa podem ser reflexo da forte baixa dos preços dos alimentos em 2017, sendo que os comerciantes provavelmente estavam com produtos estocados no mês passado, e da queda do preço da energia elétrica, que barateou os custos de funcionamento do estabelecimento.

Alguns alimentos, porém, tiveram queda de preço. Foi o caso de alguns tipos de feijão, como o fradinho (-3,94%) e o carioca (-3,32%). O alho ficou 3,31% mais barato."

Quer saber mais sobre preços dos alimentos, tendências e antecipações, leia o BLOG CEASACOMPRAS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário