quinta-feira, 13 de julho de 2017

Deflação nos preços dos alimentos

O Blog CeasaCompras já vinha apontando essa queda, apresentando pesquisas econômicas feitas pelas maiores centrais de abastecimento do país, muito antes do IBGE se posicionar. Quem segue nossas informações tem a oportunidade de economizar na compra da feira da semana. Veja outros detalhes.

                 Resultado de imagem para Deflação nos preços dos alimentos

A queda nos preços dos alimentos chegou a 19,22%, em junho deste ano. Foi o caso do tomate, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (INPCA), divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Confira abaixo a lista completa dos 10 alimentos que tiveram as maiores deflações no mês.

Tomate - O valor do tomate recuou 19,22% em junho, segundo o IBGE. Foi o produto que registrou a maior deflação no mês.

Laranja baía - O preço da fruta caiu 18,36% no mês, de acordo com o indicador do IBGE.

Goiaba - Foi de 11,6% o recuo no preço da fruta em junho segundo o IBGE.

Laranja pera - A deflação da laranja pera foi de 10,75%.

Maracujá - Foi de 10,58% a queda nos preços da fruta no mês que passou.

Cenoura - No mês, o preço do legume perdeu 9,68%.

Batata-baroa - Um dos tubérculos favoritos de quem pratica esportes, a batata-baroa registrou deflação de 9,56% em junho.

Dourada (peixe) - O peixe de água doce registrou queda de 9,21% no mês em seus preços.

Tangerina - A fruta ficou 8,79% mais barata no mês.

Banana d'água - O valor da fruta caiu 7,6% em junho segundo o IBGE.

 Mais pesquisa

Entre os 15 itens que mais caíram no semestre, a maioria são frutas. Já entre as maiores altas entram frutas, hortaliças e gastos com educação.

O IPCA teve deflação de 0,23% no mês de junho, a primeira em 11 anos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados na sexta-feira (7). O resultado é o mais baixo para um mês de junho desde o início do Plano Real.

A última vez que o índice teve variação negativa foi em junho de 2006, quando a taxa caiu 0,21%. O IPCA nunca foi tão baixo desde agosto de 1998, quando a taxa atingiu -0,51%.

O primeiro semestre do ano fechou em 1,18%, bem menos do que os 4,42% registrados em igual período de 2016, diz o IBGE. Considerando-se todos os primeiros semestres, é o resultado mais baixo da série histórica.

Entre os 15 itens que mais caíram no semestre, a maioria são frutas. Já entre as maiores altas entram frutas, hortaliças e gastos com educação. Veja abaixo os preços que mais caíram e os que mais subiram no primeiro semestre:

Maiores baixas no 1º semestre:

    Abacate: -45,62
    Limão: -34,18
    Mandioquinha (batata-baroa): -33,82
    Inhame: -32,72
    Feijão-preto: -28,43
    Maçã: -27,67
    Banana-maçã: -26,43
    Laranja-baia: -25,05
    Banana-d'agua: -23,32
    Transporte hidroviário: -23,20
    Maracujá: -21,88
    Tangerina: -20,53
    Passagem aérea: -20,06
    Mandioca (aipim): -18,05
    Mamão: -16,63 

Maiores altas no 1º semestre:

    Manga: 43,10
    Morango: 25,18
    Açaí (emulsão): 24,38
    Peixe-pintado: 22,99
    Pimentão: 11,62
    Repolho: 11,22
    Manteiga: 11,11
    Alface: 10,92
    Brócolis: 10,87
    Ovo de galinha: 10,60
    Educação infantil: 10,22
    Ensino fundamental: 10,07
    Creche: 9,94
    Ensino médio: 9,88
    Peixe-pacu: 9,81

Nenhum comentário:

Postar um comentário